Tecnologia

Tecnologias antigas: o que é e como funciona o SMS? – Olhar Digital

wp header logo 38 Albânia 10

Já ouviu falar do SMS? Para os mais jovens, o termo provavelmente não fará muito sentido. No dia 3 de dezembro de 1992 foi enviada a primeira mensagem de texto neste formato. A mensagem — vendida recentemente por nada menos que 107 mil euros no formato de NFT — partiu de um engenheiro da operadora inglesa Vodafone e dizia “Feliz Natal”. 
Na época, a frase foi enviada de um computador para um aparelho móvel de cerca de 2 kg, que nada se parece com os celulares disponíveis no mercado atualmente. Desde então, muita coisa mudou. 
No especial ‘tecnologias antigas’ desta semana, confira o que é, como surgiu e se o SMS ainda é utilizado mesmo com a popularidade dos aplicativos de mensagens.
O SMS, ou Short Message Service (Serviço de Mensagem Curta, em tradução livre), surgiu em meados da década de 1980 e foi criado pelo engenheiro finlandês de telecomunicações Matti Makkonen.
A ideia era enviar o máximo de informação possível em uma única mensagem de texto utilizando a tecnologia GSM.
O processo é simples: o usuário escrevia uma mensagem no seu aparelho, selecionava o número da outra pessoa e pronto, a mensagem era enviada. 
No Brasil, o recurso recebeu o apelido de “torpedo” e já está disponível há mais de 20 anos. Por aqui, as mensagens de texto começaram a ganhar espaço nos anos 1990. 
Foi muito usado pelos jovens na época para trocar mensagens rápidas. Era muito comum tentar escrever o máximo de informações em um SMS para evitar cobranças extras das operadoras, para isso, os brasileiros começaram a inventar abreviações como vc = você; sdds = saudades; ctz = certeza; tdo = tudo; tbm = também; kd = cadê; mto = muito, entre outras. Tudo para tentar cumprir o limite de uma única mensagem, que era de 160 caracteres.
Apesar de rápido e eficaz no seu tempo, o número de torpedos enviados começou a cair a partir de 2010. Conforme uma pesquisa de 2011 realizada pela consultoria Acision, a maior parte dos brasileiros já naquela época enviava em média 21 torpedos por mês. 
Para quase 80% dos mais de mil entrevistados, a principal razão pelo baixo número de envios era a falta de interesse no serviço e o valor cobrado pelo envio das mensagens. 
Apesar de ter perdido popularidade entre os consumidores, o SMS continua na ativa como ferramenta de marketing para diversas empresas como forma de aumentar vendas e se comunicar com clientes. 
É o que mostra um levantamento da Mobile Time de fevereiro de 2021. Segundo a pesquisa, a proporção de brasileiros que enviam SMS todo dia é de 8%, enquanto entre aqueles que afirmam receber SMS todo dia, o percentual é de 44%. 
Ou seja, na prática, ainda é um canal de comunicação que tem a sua importância no mercado, especialmente como um complemento de outras estratégias de marketing, como postagens nas redes sociais, e-mail marketing, anúncios, entre outros.
Como cancelar o envio de SMS promocional das operadoras
O SMS também ainda é utilizado para envio de informações. Um exemplo são os alertas de vencimento do IPTU e de lotação de leitos de UTI na pandemia, medidas adotadas pelo estado de São Paulo. 
Outros exemplos de uso são os varejistas, que utilizam o SMS para confirmar a aprovação de uma compra feita no cartão de crédito. Os bancos também costumam usar mensagens de texto para lembrar os clientes sobre o vencimento das faturas.
O SMS evoluiu para o MMS, Multimedia Message System ou Sistema de Mensagens Multimídia, em português. A grande novidade era a possibilidade de enviar imagens, áudios e até mesmo vídeos curtos além de texto. 
O serviço ficou popular no momento em que celulares de várias fabricantes começaram a ganhar sensores de câmeras, podendo trocar imagens de até 2MB. Além disso, com o MMS os textos podiam conter mais de 30 mil caracteres em uma única mensagem. 
No fim, apesar das vantagens sobre o SMS, o serviço também foi perdendo espaço para o Instant Messaging, ou Mensagem Instantânea, que surgiu com programas de computador como o MSN.
O WhatsApp, apesar de contar com 2 bilhões de usuários, não é o serviço mais popular na sua terra natal, os Estados Unidos. Por lá, menos de 20% dos usuários de smartphones usam o aplicativo, revela uma pesquisa recente da Pew Research Center. 
Como comparativo, um levantamento de 2021 da Panorama Mobile Time, indica que no Brasil, 99% dos celulares possuem o mensageiro do Facebook instalado. No entanto, existem motivos que explicam a baixa popularidade do app na terra do Tio Sam.
Um deles é que a maior parte dos consumidores de telefonia móvel nos Estados Unidos já tinham planos contratados com as operadoras desde que o SMS começou a ganhar força. Diferente de outros países como o próprio Brasil, é mais raro para os americanos escolher um plano pré-pago, que geralmente vinham com pacote limitado de SMS.
Algo que também afasta os americanos do WhatsApp é a forte presença dos iPhones no país. Os aparelhos da Maçã são utilizados por cerca de 50% dos consumidores. Por consequência, o aplicativo de mensagens da Apple, o iMessage — que também funciona por meio das plataformas de SMS das operadoras — é mais popular para o envio de mensagens curtas que o mensageiro do Facebook.
Por fim, um levantamento da Statias sobre aplicativos que permitem enviar mensagens e arquivos pela internet mostrou que no ano passado o Facebook Messenger foi o preferido por 87% dos americanos, seguido pelo FaceTime (34%), Zoom (34%) e Snapchat (28%). O WhatsApp só apareceu na quinta posição.
Leia mais:
Vale destacar que especialistas em segurança digital dizem que os SMS são mais vulneráveis do que as conversas criptografadas oferecidas pelo WhatsApp, por exemplo. Em dezembro de 2021, o Centro Nacional de Segurança Cibernética da Finlândia (NCSC-FI) emitiu um alerta sobre um malware que se espalha por SMS chamado FluBot. Cerca de 70 mil celulares que rodam Android e também iPhones foram infectados em 24 horas.
Golpes em plataformas como o WhatsApp que operam com a ajuda do SMS também continuam aumentando. Até meados de 2021, segundo os dados do dfndr lab, o laboratório de segurança digital da PSafe, cerca de 8,5 milhões de pessoas sofreram com clonagem de conta no aplicativo.
Mesmo que o golpe não ocorra necessariamente por meio de uma mensagem de texto, o SMS muitas vezes funciona como ferramenta para atrair vítimas. É o caso de outro golpe que envia mensagens que prometem descontos em pagamentos feitos por Pix. Sendo assim, todo cuidado é pouco! 
Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.