Tecnologia

Oportunidade de US$ 1 trilhão: esta tecnologia pode 'fabricar' milionários – Exame Notícias

wp header logo 484 Albânia 10

A Meta, empresa que une Facebook, Whatsapp e Instagram, por exemplo, anunciou que irá desembolsar a quantia de US$ 10 bilhões em investimentos nesta tecnologia apenas em 2022
Apresentado por Vitreo

É difícil pensar hoje em um mundo sem internet. Mas a verdade é que a web se popularizou em meados dos anos 1990 e revolucionou o mundo. Tudo isso só foi possível graças à criação da primeira grande plataforma capaz de comportar a internet, o computador. Atualmente, um ecossistema trilionário está construído sobre a internet, mas nos seus primórdios toda a monetização aconteceu através da venda de computadores pessoais.

Anos mais tarde, o mesmo se deu com os smartphones. A segunda grande plataforma do mundo foram os celulares que carregamos nos bolsos hoje, que só tiveram escalabilidade quando foram introduzidos os sistemas operacionais, como Android e iOS. E o que você talvez ainda não saiba é que, além destas duas grandes plataformas, uma terceira está prestes a revolucionar novamente a nossa realidade atual.

Trata-se de uma tecnologia disruptiva, desenvolvida no centro tecnológico de referência mundial quando o assunto são inovações, o Vale do Silício. Para Mark Zuckerberg, bilionário e CEO do Facebook, “ela pode ser o próximo capítulo da internet”. E, segundo estimativas da Grayscale, tem potencial para gerar receita anual de um trilhão de dólares no longo prazo, movimentando ao menos US$ 4,5 trilhões até 2024, de acordo com a Bloomberg.

Não sabe que tipo de tecnologia é essa a que me refiro? Estou falando do metaverso. É ele quem foi o responsável por, semanas atrás, mudar o nome do Facebook para “Meta”, em referência ao novo universo que está se formando. E você está enganado se pensa que só Zuckerberg está de olho na nova tecnologia. Algumas das marcas mais famosas do mundo já tomaram conhecimento sobre o potencial que o metaverso carrega e estão fazendo seus investimentos:

2 Albânia 10

A reportagem diz que a Adidas anunciou a entrada do metaverso e fez com que token de The Sandbox disparasse 30% (Exame/Exame)

3 Albânia 10

A reportagem mostra a afirmação de Disney sobre o metaverso, que diz que a tecnologia será o futuro da empresa e pretende fazer dele um lugar mais feliz (Exame/Exame)

O metaverso não está sendo cotado como a “próxima internet” à toa. A expectativa é que ele revolucione completamente o modo como consumimos internet, uma vez que promete materializar a conexão nos inserindo em um ambiente virtual 3D.

A aposta de que essa nova tecnologia será um marco na história do mundo é tão alta que empresas não estão se importando em perder dinheiro para investir nela. A Meta, empresa que une Facebook, Whatsapp e Instagram, por exemplo, anunciou que irá desembolsar a quantia de US$ 10 bilhões em investimentos nesta tecnologia apenas em 2022.

Sei que isso pode soar como tolice em um primeiro momento, mas Zuckerberg está mirando no futuro. Hardwares, quando transformados em plataformas, são a aplicação máxima do conceito de efeitos de rede. Como dito anteriormente, esse foi o caminho da geração de internet, dos smartphones e também deve ser o caminho do início da revolução do metaverso.

Paul Walker ‘voltou’ à vida nas telas com esta tecnologia… e novas fortunas podem nascer

O metaverso diz respeito à possibilidade de ter uma vastidão de ambientes virtuais sob os seus olhos, nos quais é possível ter entretenimento, construir, trabalhar, socializar, ir às compras e até mesmo negociar e ganhar ativos digitais. Trata-se de uma tecnologia que, em outras palavras, abre portas para mundos ainda desconhecidos.

Atualmente, a principal atuação do metaverso está em jogos de realidade virtual, como por exemplo o Fortnite. Mas você está enganado se tem a impressão de que essa tecnologia ficará restrita ao mundo dos games. Na verdade, esse “admirável mundo novo” já possibilitou muitas outras atuações que você sequer sabia até agora.

Quer um exemplo? Basta lembrar do filme de ação “Velozes e Furiosos 7”, lançado em 2015. Nele, o ator Paul Walker interpreta Brian O’Connor em exatamente 260 cenas. Isso, por si só, não é nada demais. Mas as coisas mudam de figura se pensarmos que Paul havia falecido 2 anos antes, em 30 de novembro de 2013, num trágico acidente de carro.

Mas então como ele fez o filme? É o que você pode estar se perguntando. Bom, isso foi possível graças à uma empresa que utilizou recursos oriundos do metaverso. Mas isso não é nada se pensarmos que, a partir dessa mesma tecnologia, é possível solucionar problemas muito mais complexos e humanitários.

Imagine só ter a possibilidade de visualizar todo o impacto ambiental que a construção de uma usina hidrelétrica pode causar em um determinado bioma? Ou se teletransportar para o seu ambiente de trabalho sem a necessidade de nenhum tipo de deslocamento físico? Percebe a grandiosidade do que podemos ter em mãos?

E eu digo em mãos porque para acessar os diferentes ambientes digitais criados a partir do metaverso, tudo o que você vai precisar é de um óculos. É claro que não estamos falando de óculos comuns. Alguns modelos que proporcionam as maravilhas da realidade aumentada estão sendo projetados por empresas como Apple, Samsung, Nintendo, Snapchat e, é claro, o próprio Facebook:

4 Albânia 10

Imagem mostra óculos de realidade aumentada projetado pelo Facebook para a utilização em ambientes digitais do metaverso (Imagem/Facebook)

Mas a melhor parte de tudo isso é que, apesar de estarmos falando de uma tecnologia ainda embrionária, que tem muito a evoluir, já é possível colher os frutos dela a partir de agora. Digo isso porque há uma maneira de investidores lucrarem através de iniciativas que estão sendo feitas para tornar o metaverso uma realidade.

Na verdade, alguns deles já tiveram a oportunidade de capturar lucros com este setor desde janeiro. Em menos de um ano, um ativo digital ligado à tecnologia do metaverso proporcionou lucros de mais de 28.000% àqueles que apostaram na iniciativa desde o início. Fato que transformou investimentos de:

  •  R$ 500 em cerca de R$ 140.500;
  • R$ 1.000 em R$ 281.000; e
  • R$ 5.000 em impressionantes R$ 1.405.000, isto é, mais de um milhão de reais.

Convenhamos que, nesta oportunidade, R$ 5 mil pode ser considerado um investimento pífio se comparado ao lucro capturado em pouco menos de um ano. Veja bem, estamos falando de uma multiplicação de capital da ordem de 280 vezes em cerca de 11 meses. Aposto que nenhum investimento do seu portfólio já rendeu algo parecido, mesmo em um período de tempo maior.

E, se você não havia tomado conhecimento dessa oportunidade antes, não precisa lamentar. Com os sucessivos investimentos feitos recentemente no metaverso, da ordem de bilhões de dólares, há razões suficientes para crer que os lucros com esta tecnologia podem continuar a ser brutais daqui em diante.

Ainda mais se levarmos em consideração que, em 15 de dezembro, uma transmissão online e gratuita pretende revelar os nomes de dois novos ativos com alto potencial de lucros com o metaverso. Trata-se de ativos que estão diretamente relacionados a essa tecnologia e que possuem vias de crescimento inimagináveis ao passo em que for concretizado esse novo ambiente digital.

Para garantir a sua vaga no evento, aconselho que cadastre-se no botão abaixo:

QUERO TER ACESSO AOS NOMES DOS PRÓXIMOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A MAIOR APOSTA DE TECNOLOGIA DA HISTÓRIA

A revelação dos ativos será feita por George Wachsmann, CIO da gestora com mais de R$ 13 bilhões sob custódia, a Vitreo. Na data, ele não apenas revelará os nomes de dois ativos do metaverso com alto potencial de multiplicação, como também mostrará aos interessados como investir neles com a mesma facilidade de quem compra uma ação da Vale na bolsa de valores brasileira.

Wachsmann se propôs a fazer este evento pois, assim como as maiores empresas do mundo, está convicto sobre a oportunidade de fazer dinheiro a partir desta tecnologia. “Este é um movimento que pode revolucionar a internet e o mundo digital para sempre. Por isso, não acho loucura dizer que essa é a maior aposta da história”, afirma.

As negociações no metaverso já movimentam milhões…

O anúncio do Facebook em relação ao metaverso, que foi seguido por diversas grandes empresas ao redor do mundo, despertou nos entusiastas do mundo digital um interesse ainda maior na nova tecnologia. Para você ter uma ideia, os valores envolvidos nas negociações de propriedades e outros itens representados por NFTs (do inglês, tokens não-fungíveis) tiveram multiplicações milionárias em um período curto de tempo.

Uma dessas transações envolveu um iate virtual que foi avaliado no mesmo valor de um iate real. O Megaflower Super Mega Yacht é um barco do metaverso The Sandbox que foi vendido na última semana por 149 ether, o mesmo que 650.000 dólares (o equivalente a cerca de 3,65 milhões de reais):

5 Albânia 10

A imagem mostra o Megaflower Super Mega Yacht, iate virtual negociado em 149 ether, o equivalente a R$ 3,65 milhões (Republic Realm/Reprodução/YouTube)

Estamos falando de um mega iate luxuoso com dois helipontos, hidromassagem, cabine para DJ e outros acessórios (todos virtuais, é claro). Mas saiba que essa nem foi a venda mais cara da história do metaverso. Recentemente, um terreno virtual foi vendido por incríveis 14 milhões de reais e se tornou um dos itens mais caros já negociados em um metaverso.

Ele foi adquirido pelo Metaverse Group em um dos metaversos mais antigos e populares em blockchain, o Decentraland, por 618.000 manas, a criptomoeda nativa da plataforma, o equivalente a quase US$ 2,5 milhões (o mesmo que R$ 14 milhões). Foi a venda mais cara da história do Decentraland.

Além dele, um outro terreno virtual foi vendido no metaverso do Axie Infinity, jogo que se popularizou este ano por remunerar todos os jogadores ativos em criptomoedas. O terreno foi negociado na última quinta-feira, saindo ao preço de 550 ether, ou mais de 2,3 milhões de dólares (o equivalente a cerca de R$ 13 milhões).

Como você pode ver, os NFTs são essenciais para a construção do metaverso, uma vez que permitem que usuários tenham certificados digitais de diferentes itens virtuais, como lotes de terra, acessórios e avatares. No futuro, espera-se que haja muitos outros objetos sendo comercializados nesta nova realidade digital. Mas, como você viu, o mercado já deu indícios sobre a sua capacidade de gerar dinheiro.

Afinal, em apenas 3 vendas o metaverso já pôde movimentar impressionantes R$ 30 milhões. Mas quem sabe o que pode acontecer após empresas bilionárias investirem na tecnologia e incrementarem ainda mais funcionalidades e possibilidades ao metaverso?

VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO COM POTENCIAL DE CRIAR NOVOS MILIONÁRIOS

Valorização de 543% em um mês

Os retornos exponenciais com metaverso fez com que alguns ativos digitais ligados à tecnologia liderassem o ranking de maiores rentabilidades no mês de novembro. De acordo com levantamento feito pelo FinDocs com os 100 maiores ativos digitais em valor de mercado, três deles chamaram a atenção no tocante à valorização em um período tão curto de tempo.

Para você ter uma ideia, o campeão do ranking registrou 543% de alta em apenas 30 dias. Por sua vez, os ativos digitais em segundo e terceiro lugar registraram lucros de 383% e 323%, respectivamente, como você pode conferir na tabela abaixo:

6 Albânia 10

Imagem mostra três ativos digitais ligados ao metaverso que tiveram as maiores valorizações no mês de novembro, entre 100 ativos com maior valor de mercado (CoinMarketCap e FinDocs/Reprodução)

Embora lucros passados não sejam garantia para retornos futuros e o metaverso ainda seja uma tecnologia recente, que está apenas em seu início no mercado de tecnologia mundial, já se pode ver os lucros que ele proporcionou no curto prazo àqueles que estavam atentos à tendência do setor.

Mas, para que fique claro, estes não são os ativos que George Wachsmann selecionou para o evento online e gratuito que ocorrerá no dia 15 de dezembro. Nesta data, você poderá conhecer os dois ativos ligados ao metaverso em que o CIO da gestora com mais de R$ 13 bilhões sob custódia enxerga o maior potencial de valorização para o longo prazo.

Isso porque, embora a valorização dos ativos que mostrei acima seja expressiva, tudo indica que esse é apenas o início do movimento, visto que o retorno ainda é discreto perto da quantia que as maiores empresas do mundo estão investindo no metaverso.

VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A TECNOLOGIA QUE PODE REVOLUCIONAR A INTERNET E FORMAR NOVOS MILIONÁRIOS

Conheça dois ativos para lucrar com o metaverso

Por se tratar de uma tecnologia disruptiva, ainda nova e que está no "hype", o timing aqui é algo crucial. Isso significa que aqueles que estiverem interessados em capturar os lucros que o metaverso pode proporcionar no médio a longo prazo precisam agir agora, e com as informações certas em mãos.

Acredite, você não quer perder a chance de buscar lucros exponenciais com uma nova tecnologia, como aconteceu com aqueles que lucraram mais de 28.000% em 11 meses acreditando no potencial de um ativo digital ligado ao metaverso.

Então, se você perdeu a primeira grande tacada de lucros com este novo universo, não se preocupe, pois agora você terá uma nova chance de investir nele, e capturar retornos quem sabe semelhantes – ou maiores – podendo fazer isso da melhor forma e sem correr riscos desnecessários.

Como dito anteriormente, George Wachsmann, CIO da Vitreo, vai revelar gratuitamente, em uma transmissão online 100% online e gratuita, dois nomes de ativos que hoje simbolizam o melhor caminho para a criação de uma “fábrica de milionários” com o metaverso. Ele também vai indicar como investir com um clique neste e em outros ativos ligados ao metaverso.

Para garantir a sua vaga no evento, basta acessar gratuitamente esta página. Pode ficar tranquilo, você não terá que pagar nenhum centavo sequer para participar:

VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A TECNOLOGIA COM  POTENCIAL DE CRIAR NOVOS MILIONÁRIOS

É difícil pensar hoje em um mundo sem internet. Mas a verdade é que a web se popularizou em meados dos anos 1990 e revolucionou o mundo. Tudo isso só foi possível graças à criação da primeira grande plataforma capaz de comportar a internet, o computador. Atualmente, um ecossistema trilionário está construído sobre a internet, mas nos seus primórdios toda a monetização aconteceu através da venda de computadores pessoais.
Anos mais tarde, o mesmo se deu com os smartphones. A segunda grande plataforma do mundo foram os celulares que carregamos nos bolsos hoje, que só tiveram escalabilidade quando foram introduzidos os sistemas operacionais, como Android e iOS. E o que você talvez ainda não saiba é que, além destas duas grandes plataformas, uma terceira está prestes a revolucionar novamente a nossa realidade atual.
Trata-se de uma tecnologia disruptiva, desenvolvida no centro tecnológico de referência mundial quando o assunto são inovações, o Vale do Silício. Para Mark Zuckerberg, bilionário e CEO do Facebook, “ela pode ser o próximo capítulo da internet”. E, segundo estimativas da Grayscale, tem potencial para gerar receita anual de um trilhão de dólares no longo prazo, movimentando ao menos US$ 4,5 trilhões até 2024, de acordo com a Bloomberg.
Não sabe que tipo de tecnologia é essa a que me refiro? Estou falando do metaverso. É ele quem foi o responsável por, semanas atrás, mudar o nome do Facebook para “Meta”, em referência ao novo universo que está se formando. E você está enganado se pensa que só Zuckerberg está de olho na nova tecnologia. Algumas das marcas mais famosas do mundo já tomaram conhecimento sobre o potencial que o metaverso carrega e estão fazendo seus investimentos:
A reportagem diz que a Adidas anunciou a entrada do metaverso e fez com que token de The Sandbox disparasse 30% (Exame/Exame)
A reportagem mostra a afirmação de Disney sobre o metaverso, que diz que a tecnologia será o futuro da empresa e pretende fazer dele um lugar mais feliz (Exame/Exame)
O metaverso não está sendo cotado como a “próxima internet” à toa. A expectativa é que ele revolucione completamente o modo como consumimos internet, uma vez que promete materializar a conexão nos inserindo em um ambiente virtual 3D.
A aposta de que essa nova tecnologia será um marco na história do mundo é tão alta que empresas não estão se importando em perder dinheiro para investir nela. A Meta, empresa que une Facebook, Whatsapp e Instagram, por exemplo, anunciou que irá desembolsar a quantia de US$ 10 bilhões em investimentos nesta tecnologia apenas em 2022.
Sei que isso pode soar como tolice em um primeiro momento, mas Zuckerberg está mirando no futuro. Hardwares, quando transformados em plataformas, são a aplicação máxima do conceito de efeitos de rede. Como dito anteriormente, esse foi o caminho da geração de internet, dos smartphones e também deve ser o caminho do início da revolução do metaverso.
O metaverso diz respeito à possibilidade de ter uma vastidão de ambientes virtuais sob os seus olhos, nos quais é possível ter entretenimento, construir, trabalhar, socializar, ir às compras e até mesmo negociar e ganhar ativos digitais. Trata-se de uma tecnologia que, em outras palavras, abre portas para mundos ainda desconhecidos.
Atualmente, a principal atuação do metaverso está em jogos de realidade virtual, como por exemplo o Fortnite. Mas você está enganado se tem a impressão de que essa tecnologia ficará restrita ao mundo dos games. Na verdade, esse “admirável mundo novo” já possibilitou muitas outras atuações que você sequer sabia até agora.
Quer um exemplo? Basta lembrar do filme de ação “Velozes e Furiosos 7”, lançado em 2015. Nele, o ator Paul Walker interpreta Brian O’Connor em exatamente 260 cenas. Isso, por si só, não é nada demais. Mas as coisas mudam de figura se pensarmos que Paul havia falecido 2 anos antes, em 30 de novembro de 2013, num trágico acidente de carro.
Mas então como ele fez o filme? É o que você pode estar se perguntando. Bom, isso foi possível graças à uma empresa que utilizou recursos oriundos do metaverso. Mas isso não é nada se pensarmos que, a partir dessa mesma tecnologia, é possível solucionar problemas muito mais complexos e humanitários.
Imagine só ter a possibilidade de visualizar todo o impacto ambiental que a construção de uma usina hidrelétrica pode causar em um determinado bioma? Ou se teletransportar para o seu ambiente de trabalho sem a necessidade de nenhum tipo de deslocamento físico? Percebe a grandiosidade do que podemos ter em mãos?
E eu digo em mãos porque para acessar os diferentes ambientes digitais criados a partir do metaverso, tudo o que você vai precisar é de um óculos. É claro que não estamos falando de óculos comuns. Alguns modelos que proporcionam as maravilhas da realidade aumentada estão sendo projetados por empresas como Apple, Samsung, Nintendo, Snapchat e, é claro, o próprio Facebook:
Imagem mostra óculos de realidade aumentada projetado pelo Facebook para a utilização em ambientes digitais do metaverso (Imagem/Facebook)
Mas a melhor parte de tudo isso é que, apesar de estarmos falando de uma tecnologia ainda embrionária, que tem muito a evoluir, já é possível colher os frutos dela a partir de agora. Digo isso porque há uma maneira de investidores lucrarem através de iniciativas que estão sendo feitas para tornar o metaverso uma realidade.
Na verdade, alguns deles já tiveram a oportunidade de capturar lucros com este setor desde janeiro. Em menos de um ano, um ativo digital ligado à tecnologia do metaverso proporcionou lucros de mais de 28.000% àqueles que apostaram na iniciativa desde o início. Fato que transformou investimentos de:
Convenhamos que, nesta oportunidade, R$ 5 mil pode ser considerado um investimento pífio se comparado ao lucro capturado em pouco menos de um ano. Veja bem, estamos falando de uma multiplicação de capital da ordem de 280 vezes em cerca de 11 meses. Aposto que nenhum investimento do seu portfólio já rendeu algo parecido, mesmo em um período de tempo maior.
E, se você não havia tomado conhecimento dessa oportunidade antes, não precisa lamentar. Com os sucessivos investimentos feitos recentemente no metaverso, da ordem de bilhões de dólares, há razões suficientes para crer que os lucros com esta tecnologia podem continuar a ser brutais daqui em diante.
Ainda mais se levarmos em consideração que, em 15 de dezembro, uma transmissão online e gratuita pretende revelar os nomes de dois novos ativos com alto potencial de lucros com o metaverso. Trata-se de ativos que estão diretamente relacionados a essa tecnologia e que possuem vias de crescimento inimagináveis ao passo em que for concretizado esse novo ambiente digital.
Para garantir a sua vaga no evento, aconselho que cadastre-se no botão abaixo:
QUERO TER ACESSO AOS NOMES DOS PRÓXIMOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A MAIOR APOSTA DE TECNOLOGIA DA HISTÓRIA
A revelação dos ativos será feita por George Wachsmann, CIO da gestora com mais de R$ 13 bilhões sob custódia, a Vitreo. Na data, ele não apenas revelará os nomes de dois ativos do metaverso com alto potencial de multiplicação, como também mostrará aos interessados como investir neles com a mesma facilidade de quem compra uma ação da Vale na bolsa de valores brasileira.
Wachsmann se propôs a fazer este evento pois, assim como as maiores empresas do mundo, está convicto sobre a oportunidade de fazer dinheiro a partir desta tecnologia. “Este é um movimento que pode revolucionar a internet e o mundo digital para sempre. Por isso, não acho loucura dizer que essa é a maior aposta da história”, afirma.
O anúncio do Facebook em relação ao metaverso, que foi seguido por diversas grandes empresas ao redor do mundo, despertou nos entusiastas do mundo digital um interesse ainda maior na nova tecnologia. Para você ter uma ideia, os valores envolvidos nas negociações de propriedades e outros itens representados por NFTs (do inglês, tokens não-fungíveis) tiveram multiplicações milionárias em um período curto de tempo.
Uma dessas transações envolveu um iate virtual que foi avaliado no mesmo valor de um iate real. O Megaflower Super Mega Yacht é um barco do metaverso The Sandbox que foi vendido na última semana por 149 ether, o mesmo que 650.000 dólares (o equivalente a cerca de 3,65 milhões de reais):
A imagem mostra o Megaflower Super Mega Yacht, iate virtual negociado em 149 ether, o equivalente a R$ 3,65 milhões (Republic Realm/Reprodução/YouTube)
Estamos falando de um mega iate luxuoso com dois helipontos, hidromassagem, cabine para DJ e outros acessórios (todos virtuais, é claro). Mas saiba que essa nem foi a venda mais cara da história do metaverso. Recentemente, um terreno virtual foi vendido por incríveis 14 milhões de reais e se tornou um dos itens mais caros já negociados em um metaverso.
Ele foi adquirido pelo Metaverse Group em um dos metaversos mais antigos e populares em blockchain, o Decentraland, por 618.000 manas, a criptomoeda nativa da plataforma, o equivalente a quase US$ 2,5 milhões (o mesmo que R$ 14 milhões). Foi a venda mais cara da história do Decentraland.
Além dele, um outro terreno virtual foi vendido no metaverso do Axie Infinity, jogo que se popularizou este ano por remunerar todos os jogadores ativos em criptomoedas. O terreno foi negociado na última quinta-feira, saindo ao preço de 550 ether, ou mais de 2,3 milhões de dólares (o equivalente a cerca de R$ 13 milhões).
Como você pode ver, os NFTs são essenciais para a construção do metaverso, uma vez que permitem que usuários tenham certificados digitais de diferentes itens virtuais, como lotes de terra, acessórios e avatares. No futuro, espera-se que haja muitos outros objetos sendo comercializados nesta nova realidade digital. Mas, como você viu, o mercado já deu indícios sobre a sua capacidade de gerar dinheiro.
Afinal, em apenas 3 vendas o metaverso já pôde movimentar impressionantes R$ 30 milhões. Mas quem sabe o que pode acontecer após empresas bilionárias investirem na tecnologia e incrementarem ainda mais funcionalidades e possibilidades ao metaverso?
VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO COM POTENCIAL DE CRIAR NOVOS MILIONÁRIOS
Os retornos exponenciais com metaverso fez com que alguns ativos digitais ligados à tecnologia liderassem o ranking de maiores rentabilidades no mês de novembro. De acordo com levantamento feito pelo FinDocs com os 100 maiores ativos digitais em valor de mercado, três deles chamaram a atenção no tocante à valorização em um período tão curto de tempo.
Para você ter uma ideia, o campeão do ranking registrou 543% de alta em apenas 30 dias. Por sua vez, os ativos digitais em segundo e terceiro lugar registraram lucros de 383% e 323%, respectivamente, como você pode conferir na tabela abaixo:
Imagem mostra três ativos digitais ligados ao metaverso que tiveram as maiores valorizações no mês de novembro, entre 100 ativos com maior valor de mercado (CoinMarketCap e FinDocs/Reprodução)
Embora lucros passados não sejam garantia para retornos futuros e o metaverso ainda seja uma tecnologia recente, que está apenas em seu início no mercado de tecnologia mundial, já se pode ver os lucros que ele proporcionou no curto prazo àqueles que estavam atentos à tendência do setor.
Mas, para que fique claro, estes não são os ativos que George Wachsmann selecionou para o evento online e gratuito que ocorrerá no dia 15 de dezembro. Nesta data, você poderá conhecer os dois ativos ligados ao metaverso em que o CIO da gestora com mais de R$ 13 bilhões sob custódia enxerga o maior potencial de valorização para o longo prazo.
Isso porque, embora a valorização dos ativos que mostrei acima seja expressiva, tudo indica que esse é apenas o início do movimento, visto que o retorno ainda é discreto perto da quantia que as maiores empresas do mundo estão investindo no metaverso.
VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A TECNOLOGIA QUE PODE REVOLUCIONAR A INTERNET E FORMAR NOVOS MILIONÁRIOS
Por se tratar de uma tecnologia disruptiva, ainda nova e que está no "hype", o timing aqui é algo crucial. Isso significa que aqueles que estiverem interessados em capturar os lucros que o metaverso pode proporcionar no médio a longo prazo precisam agir agora, e com as informações certas em mãos.
Acredite, você não quer perder a chance de buscar lucros exponenciais com uma nova tecnologia, como aconteceu com aqueles que lucraram mais de 28.000% em 11 meses acreditando no potencial de um ativo digital ligado ao metaverso.
Então, se você perdeu a primeira grande tacada de lucros com este novo universo, não se preocupe, pois agora você terá uma nova chance de investir nele, e capturar retornos quem sabe semelhantes – ou maiores – podendo fazer isso da melhor forma e sem correr riscos desnecessários.
Como dito anteriormente, George Wachsmann, CIO da Vitreo, vai revelar gratuitamente, em uma transmissão online 100% online e gratuita, dois nomes de ativos que hoje simbolizam o melhor caminho para a criação de uma “fábrica de milionários” com o metaverso. Ele também vai indicar como investir com um clique neste e em outros ativos ligados ao metaverso.
Para garantir a sua vaga no evento, basta acessar gratuitamente esta página. Pode ficar tranquilo, você não terá que pagar nenhum centavo sequer para participar:
VEJA COMO ACESSAR OS NOMES DOS DOIS ATIVOS DO METAVERSO, A TECNOLOGIA COM  POTENCIAL DE CRIAR NOVOS MILIONÁRIOS

Apresentado por Vitreo
Termos de Uso
Política de Privacidade
Corporate
Últimas Notícias
Casual
Carreira
Ciência
Colunistas
Economia
Eventos
Especiais
ESG
Future of Money
Invest
Marketing
Mercados
Mundo
Negócios
PME
Minhas Finanças
Tecnologia
Vídeos
Acesse

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.