Tecnologia

Nova York quer se tornar um novo centro de tecnologia de alimentos – Forbes Brasil

wp header logo 1787 Albânia 10

Início / Forbes Agro / Nova York quer se tornar um novo centro de tecnologia de alimentos
A cidade de Nova York receberá um evento de startups que podem impulsionar o futuro da tecnologia de alimentos
Na quinta-feira, 28 de abril, o Cornell Tech Campus em Roosevelt Island, Nova York, será o anfitrião da Green Circle NY-Israel FoodTech Bridge Conference. O evento reúne grandes empresas e fornecedores de alimentos com investidores e cientistas da área, dando ênfase na inovação da indústria nos Estados Unidos e em Israel. Embora não seja amplamente conhecido entre a população em geral, o evento é um grande negócio. Basta perguntar ao prefeito de Nova York, Eric Adams.
“Ao inventar e implementar novas tecnologias, podemos melhorar a saúde humana e também salvar nosso planeta”, diz ele à Forbes. “Disseram-me que os objetivos desta conferência são apoiar a colaboração transfronteiriça entre Nova York e Israel, e também apoiar a cidade de Nova York como um centro importante para a inovação em tecnologia de alimentos. Em nome da cidade de Nova York, não poderia estar mais alinhado com esses objetivos e desejo a todos muito sucesso em seus empreendimentos.”
LEIA TAMBÉM: Conheça o brasileiro que está dando lições sobre alimentos orgânicos nos EUA
Mas o que é tecnologia de alimentos, exatamente? Para saber mais sobre os detalhes e como isso está afetando nosso futuro, a Forbes conversou com o homem por trás da conferência deste mês, Stu Strumwasser, fundador e diretor administrativo da Green Circle Capital Partners. Seus insights são revelados na entrevista abaixo.
Forbes: O que é exatamente tecnologia de alimentos?
Stu Strumwasser: Tecnologia de alimentos é simplesmente o nome aplicado à florescente indústria de tecnologias que está revolucionando a maneira como fabricamos e/ou distribuímos alimentos. Comida é a maior indústria do mundo, mas é a menos indexada para tecnologia. Mas isso está começando a mudar. A maneira como fazemos comida é antiquada, com muitos processos inalterados em décadas ou até mais, e não funciona mais. O crescimento populacional está superando a oferta de alimentos e, se não mudarmos a maneira como produzimos os alimentos, haverá consequências devastadoras nos próximos anos. Ao longo dos últimos cinco anos, um ecossistema robusto de startups assumindo o desafio de reinventar as formas como produzimos e distribuímos alimentos está próximo de revolucionar a indústria. Fazer isso pode minimizar os impactos da pecuária industrial, melhorar a saúde humana e também ajudar a mitigar um dos maiores contribuintes para as mudanças climáticas.
F: Você pode explicar a ideia básica da conferência e seus objetivos?
SS: A Conferência Green Circle NY-Israel FoodTech Bridge tem dois objetivos principais. Primeiro, estamos trabalhando para apoiar a colaboração internacional entre startups, cientistas, investidores e parceiros comerciais de tecnologia de alimentos israelenses e americanos. Em segundo lugar, o nosso objetivo é apoiar a cidade de Nova York – a maior cidade da Terra, principalmente se você vier do Brooklyn – a se tornar um importante centro de inovação em tecnologia de alimentos e desenvolvimento econômico relacionado.
F: Qual é o seu papel nisso tudo?
SS: Sou o fundador da Green Circle Capital Partner, que é uma empresa de investimentos boutique com uma divisão de consultoria que trabalha com marcas de produtos naturais e uma divisão de capital de risco que investe em tecnologia de alimentos. Minha empresa está produzindo o evento com alguns parceiros conhecidos e estimados.
F: Como tudo isso aconteceu?
SS: Em 2005, depois de 15 anos em Wall Street, parei de trabalhar para grandes empresas e lancei uma empresa de refrigerantes naturais chamada Snow Beverages, que dirigi como CEO por seis anos. Pouco depois, fundei a Green Circle Capital e comecei a aconselhar marcas de alimentos, bebidas e suplementos naturais. Há cerca de cinco anos, comecei a ler sobre novas tecnologias – principalmente a aplicação da fermentação – para criar novos alimentos, e isso se tornou uma obsessão. Israel tem a maior concentração de startups de tecnologia de alimentos. Então, em dezembro de 2018, fui lá e conheci cerca de quinze startups em dois dias. Conheci todas as empresas que faziam parte do acelerador The Kitchen Hub em Ashdod. Adorei, e agora The Kitchen é até um dos nossos parceiros na conferência.
Stu Strumwasser criou o evento após ter contato com diferentes startups israelenses
Também conheci outra meia dúzia de empresas, uma atrás da outra, no bar do hotel. Saí com duas grandes impressões: primeiro, a ciência e os conceitos eram incríveis, cada um mais incrível que os anteriores. Em segundo lugar, muitos deles estavam falando sobre o lançamento de produtos alimentícios nos EUA, mas não pareciam realmente entender o que é preciso para comercializar um produto alimentício. Então, comecei a pensar que talvez pudéssemos ajudá-los. Talvez pudéssemos reunir um monte de startups israelenses de tecnologia de alimentos, com os advogados, profissionais de marketing e corretores, distribuidores e consultores de que eles precisam e que nós conhecemos. Pretendíamos fazer isso há dois anos, mas a pandemia adiou. Então, agora, estamos fazendo neste 28 de abril.
F: Quem mais está envolvido?
SS: Nossos parceiros são a Faculdade de Agricultura e Ciências da Vida da Universidade de Cornell. Sou graduado nessa instituição e temos um relacionamento sólido com várias pessoas da faculdade, que é uma das principais instituições acadêmicas de Ciência de Alimentos nos EUA, se não no mundo. A Cornell é uma grande parceira, e eles também estão realizando a conferência em seu campus Cornell Tech, em Nova York, na Ilha Roosevelt. Nossos parceiros de Israel são The Kitchen Hub, bem como a Technion University, que também é parceira de Cornell no Tech Campus.
Nossos patrocinadores incluem Hormel Foods e seu 199 Venture Group, bem como PepsiCo Ventures Group, Rich’s Foods e Covington, um escritório de advocacia líder global. Agora, temos mais de 50 startups comprometidas em participar, das quais cerca de 20 estão vindo de Israel. A conferência não é um centro de lucro, e estamos até pagando a uma dúzia de startups israelenses US$ 1.000 em bolsas para ajudar a custear a viagem para Nova York. Temos vários investidores líderes na área, bem como prestadores de serviços que podem realmente ajudar essas empresas a transformar ideias em receitas. Os palestrantes também são nomes relevantes dessa nova e empolgante indústria. Bruce Freidrich, fundador e CEO do Good Food Institute – o think tank que se tornou uma central de informações sobre proteínas alternativas – fará as observações de abertura, e os palestrantes são uma lista impressionante de especialistas. Peter Bodenheimer, que costumava administrar a Food-X – uma aceleradora de tecnologia de alimentos com sede em Nova York – se ofereceu para ser o anfitrião da conferência no dia 28. É uma coleção maravilhosa de pessoas brilhantes, todas trabalhando em prol de objetivos que, se alcançados, ajudarão a salvar o mundo. É uma coisa incrível de se fazer parte.
F: Por que realizar uma conferência para empresas israelenses de Food Tech em Nova York?
SS: Por que Nova York? Porque em qualquer outro lugar seria o segundo melhor. Olha, eu sou um nova-iorquino de longa data, então admito que sou tendencioso, mas Nova York é o centro econômico e criativo deste país, senão do mundo. Essa indústria pode representar a maior disrupção e oportunidade econômica desde o advento da internet e pertence a Nova York. São Francisco é um ecossistema maravilhoso para a tecnologia, mas essas empresas não estão fabricando software – em última análise, estão fabricando alimentos. E as sementes da tecnologia de alimentos estão crescendo em vários lugares do mundo. Todas essas estradas levam a Manhattan.
© Forbes 2022. Todos os direitos reservados.

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.