Para Gamers

Gamers Club promove Masters Feminina e Itaú entra no jogo – Propmark

wp header logo 625 Albânia 10

A Gamers Club organiza e promove um campeonato exclusivo para mulheres, o Masters Feminina. Com duas versões este ano, uma em julho e outra em novembro, teve como um dos patrocinadores o Itaú, que, além da cota máster, foi o apresentador da competição. O banco já incentiva os jogos eletrônicos há algum tempo, de olho no tamanho do setor. Vinicius Zuniga, vice-presidente comercial da Gamers Club, levanta os dados da pesquisa da SuperData — departamento de análise e pesquisa da Nielsen Games —, que observou um crescimento de 12% entre 2020 e 2021, o que resultou em uma receita de US$ 126,6 bilhões no total.
Vinicius Zuniga (Divulgação)
O estudo, segundo ele, também demonstrou um aumento de 14% nos lucros da indústria de jogos a partir de março de 2021, por conta do reflexo do aumento no consumo de games, que foi provocado pela pandemia, conforme a Pesquisa Game Brasil 2021, pois a quantidade maior de tempo em casa exigiu uma carga maior de interatividade e entretenimento. “Nesse contexto, das 12.498 pessoas entrevistadas na PGB 2021, 42,2% afirmaram gastar mais dinheiro com jogos”, diz.
Zuniga comenta ainda que a publicidade em games e eSports especificamente, até 2024, pretende movimentar globalmente cerca de US$ 10 bilhões. Esse volume foi levantado em estudo realizado pela Wunderman Thompson.
Para ele, a melhor forma de comunicação das marcas com os gamers é sempre “falar a linguagem deles, não importa o meio”. “Na Gamers Club o caminho é mais curto, pois usamos a nossa plataforma para falar com o público que já está nela. Conseguimos usar diversos caminhos, como patrocínio de campeonatos e ligas, patrocínio de time, elaboração de projetos customizados, que envolvam produtos da Gamers Club, e até mídia, que no nosso caso pode ser dentro do jogo”, detalha. Ele destaca ainda que hoje o mercado está vendo a importância do setor para se comunicar com as gerações mais jovens. “Tanto que segmentos considerados mais ‘conservadores’ como o bancário, o varejo, moda de alto luxo e até o governo estão vendo o potencial dos jogos e investindo nisso”.
Rodrigo Tigre, country manager da Cisneros Interactive, concorda com Zuniga e acrescenta que o gigantismo dos games já passou a indústria de cinema. “Existem diversas formas de games e para todos os públicos, mas a grande oportunidade para as marcas são os mobile gamers, que falam com um público bem abrangente”, diz. Ele também releva dados de pesquisa recente que a Cisneros Interactive fez através da sua unidade de negócios JustMob sobre mobile gaming, que mostra que 87% dos entrevistados se consideram mobile gamers e 63% desse público joga diariamente.
“Grande parte desses jogos para celular é gratuita e se remunera através de compra de itens dentro dos jogos e também com a propaganda, principalmente de ‘vídeos recompensa’ (video reward), cujo anúncio tem início com o próprio usuário em troca de um benefício dentro do jogo”. Segundo o executivo, esse formato tem uma nota superpositiva e cerca de 88% dos usuários assistem a vídeos para conseguir vida extras/conteúdo no jogo, enquanto 80% preferem assistir a um anúncio do que pagar por conteúdo dentro dos jogos. “Com mais de 95 milhões de usuários jogando no celular no Brasil, essa é a grande oportunidade de os anunciantes falarem com seus públicos em um ambiente seguro, que traz resultado e pega o usuário em um momento de descontração e divertimento”, argumenta.
Mídia especializada no mercado publicitário.
Não fique desatualizado. Receba novidades no seu e-mail

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.