Para Gamers

Game Disorder: vício em games é considerada doença – TecMundo

wp header logo 232 Albânia 10

Rofis Elias Filho
Dessa vez, não vou tratar diretamente de tecnologia, mas indiretamente, já que os videogames são um fruto da tecnologia. Todo mundo tem um amigo que é “viciado”, e “joga o tempo todo”, mas a gente sempre pensou que isso não era nada de mais. Não é?
Nós mesmos, meu caro leitor, ficávamos horas e horas jogando sem parar, e a nossa mãe tinha que dar uma chinelada na bunda ou tirar o videogame da tomada, mas isso não nos afetava na vida “fora dos games”.  Hoje, a mesma coisa acontece com os smartphones. É fácil ir a um restaurante e ver casais sentados à mesa com a cara enfiada no celular, sem conversar, e amigos, cada um com seus telefones teclando sem interagirem. As crianças, então, nem se fale.
Mas sabemos que algumas pessoas, infelizmente, acabam passando do limite, e como tudo em demasia, o vício em jogos eletrônicos é um problema sério. Tão sério como o vício em drogas e álcool, já que o cérebro sofre alterações decorrentes da dependência, e a pessoa se transforma completamente.
Na cidade de Patos, Paraíba, um adolescente de 13 anos matou a mãe e o irmãozinho a tiros, e feriu gravemente o pai, depois de ter sido proibido de usar o celular para jogar on line. Isso mostra o quão grave esse vício pode ser. Tão grave como outros vícios considerados “pesados”.
A Organização Mundial da Saúde – OMS, classificou o vício em jogos eletrônicos – game disorder – como uma doença classificada no CID – 11 (Código Internacional de Doenças), onde a pessoa é dependente de jogos eletrônicos.
Tal como ocorre com os outros tipos de vício, a pessoa simplesmente deixa de ter uma vida social e desenvolve um comportamento obsessivo pelos games.
Mas olha só, não é porque a pessoa curte jogos online, que fica muito tempo jogando que ele é “viciado”. É preciso que haja um impacto direto na vida da pessoa, e que esse impacto possa ser sentido na família, no rendimento escolar ou profissional, mesmo que sem a gravidade da tragédia que a notícia acima relatou. O viciado sente a necessidade de jogar, fica agressivo se não joga, tem depressão e ansiedade, e pode até agredir as pessoas que ele acha que são responsáveis por ele não poder jogar.
Vício em jogar videogameFonte: Shutterstock
Segundo a OMS, “Para que o transtorno do jogo seja diagnosticado, o padrão de comportamento deve ser de gravidade suficiente para resultar em prejuízo significativo no funcionamento pessoal, familiar, social, educacional, ocupacional ou em outras áreas importantes de funcionamento e normalmente teria sido evidente por pelo menos 12 meses.”. É preciso que haja um acompanhamento por, no mínimo, 12 meses da pessoa, para que se verifique se realmente ela é viciada, ou se apenas joga muito.
Esse problema não afeta apenas crianças e adolescentes, mas uma grande parcela de adultos, que ficam incapacitados para o trabalho, e assim, se forem afastados do trabalho por causa do vício, podem ter direito ao recebimento do auxílio-doença, previsto no artigo 59 da lei 8.213/91 – Lei da Previdência Social, após passar por perícia no INSS e for constatado que realmente ele sofre de uma doença que lhe impeça de trabalhar. Se a pessoa não trabalha, então não pode receber esse auxílio, já que não é considerada trabalhadora.
Até hoje, não existem decisões do INSS ou da Justiça sobre o pagamento de auxílio doença para que é acometido do vício em jogos eletrônicos, já que não era considerada como uma doença, então, a partir do momento em a OMS declara esse transtorno como uma patologia, acredito que possa sim ser estendido o benefício a essas pessoas.
E aí? Você conhece alguém que possa ter esse transtorno?
***
Rofis Elias Filho, colunista do TecMundo, é geek e advogado, apaixonado por tecnologia desde pequeno. Foi o primeiro da rua a ter internet em casa, em 1994, e se especializou em Direito da Informática no Brasil e em Portugal. Hoje, é professor da mesma matéria em diversas instituições, tendo sido coordenador-executivo da pós-graduação da ESA/SP. É sócio do escritório Elias Filho Advogados, que advoga para diversas empresas de tecnologia no Brasil e no exterior. Siga nas redes sociais para mais dicas: @eliasfilhoadv.
PUBLICIDADE
© COPYRIGHT 2022 – NO ZEBRA NETWORK S.A.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.