Para Gamers

A democracia gamer e as tendências de mercado mobile – Meio & Mensagem – Meio&Mensagem

wp header logo 1091 Albânia 10

Notícias
Coberturas
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Agosto
Outubro
Novembro
Dezembro
Editoriais
Patrocinados
Séries
Brand Channels
Abril
Maio
Junho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro
Siga-nos
Siga-nos
A democracia gamer e as tendências de mercado mobile
Rodrigo Tigre
Country manager da Cisneros Interactive
Smartphones são democráticos e com preços mais acessíveis em relação aos consoles

19 de janeiro de 2022 – 8h00
(Crédito: Dean Drobot/shutterstock)
O interesse por jogos eletrônicos vem ano após ano conquistando mais espaço na vida dos brasileiros. Engana-se, no entanto, quem pensa que prevalece o estereótipo de gamer de antigamente. Dados da Pesquisa Game Brasil 2021 demonstram que 51,5% do público que joga é formado por mulheres. E acredite: a explicação para isso está no smartphone.
O fato de as mulheres serem a maioria entre os gamers é por causa do tamanho do mercado de smartphones, onde existe uma dominância da ala feminina (62,2%). O celular não só gerou esse aumento do público feminino como também viabilizou a ascensão de pessoas de classes sociais baixas e médias no universo dos jogos.
Sempre digo que o smartphone é democrático, com preço acessível, coisa que não acontece com os consoles ou computadores. A evolução constante dos celulares e smartphones barateia o acessório e possibilita o acesso da população nesse universo. O smartphone é a plataforma que está fazendo o game deixar de ser elitizado e podemos perceber porque quase a metade dos consumidores de games no Brasil (49,7%) são das classes C1, C2, D e E.
Os smartphones são tão atrativos como plataforma de jogos mobiles que a maioria dos brasileiros prefere o celular na hora de jogar (41,6%) e jogam mais por meio dele, pois 40,8% do público afirma jogar todos os dias em seu smartphone, enquanto no pc essa porcentagem é de 19,6% e no console ela cai ainda mais, para 15%. Além disso, 59,2% já baixaram um jogo depois de ser impactado por uma propaganda publicitária, o que também nos mostra que as campanhas em vídeo conseguem gerar engajamento e dar um retorno para os anunciantes. Afinal, não é à toa que assistir vídeos é a primeira atividade cultural na internet.
De acordo com o Think with Google, os downloads de aplicativos de jogos aumentaram em 30% nos primeiros meses de 2020 em comparação ao final de 2019. A receita desse setor foi 12% maior no ano passado (ao todo foram US$126,6 milhões), sendo que o mobile game foi responsável por 58% desse faturamento. E para 2021, a expectativa é que esse segmento atinja 60% do mercado.
Mercados emergentes devem desempenhar um bom papel na indústria de games, principalmente no mobile. Isso se deve ao fato de que muitos desenvolvedores estão segurando os lançamentos de jogos com o intuito de adequá-los à nova geração. Outra tendência forte é que os serviços de assinatura evoluam nesse setor. Além disso, plataformas de interação com outras pessoas, como o Twitch, também estão em ascensão.
A recente pesquisa da Justmob e da Cisneros, em parceria com a OnDevice, sobre perfis e hábitos de gamers, realizada em setembro de 2021, com 500 pessoas por país (Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru), totalizando 3.000 jogadores de mobile games, aponta que o impacto da pandemia no Brasil fez com que 79% dos entrevistados passassem mais tempo jogando. No pós-pandemia, 65% das pessoas afirmam que vão continuar da mesma forma. Outro dado relevante é que 88% dos entrevistados assistem vídeos em jogos em troca de vidas (conteúdo extra do jogo). Além disso, 83% preferem ver vídeos a pagar por conteúdo, principalmente, mulheres com mais de 35 anos.
O mercado de games está em plena ascensão. Vale ressaltar que não são só consumidores que estão interessados e apaixonados por ele, mas as empresas também. Seja como for, talvez nem o céu seja o limite para um universo infinito como o da tecnologia somado aos jogos.
Compartilhe
Veja também
Privacidade, sustentabilidade e mediação de conflitos no centro do Google I/O
Programação do evento voltou ao modelo presencial em 2022 trazendo conversas aquecidas e necessárias sobre proteção de dados, segurança e privacidade
Conexões ao redor de xícaras
Trabalhar em diferentes países traz visões culturais diversas sobre um mesmo produto e sua relação com os consumidores
01
Oliver cria pilar para gestão de carreiras
02
Monique Evelle: diálogo propositivo no MNB
03
Privacidade, sustentabilidade e mediação de conflitos no centro do Google I/O
04
Nike e Puma chamam a atenção sobre minorias nos esportes
05
Rede de Hotéis Deville anuncia diretora de marketing e vendas
01
Itaú é pela segunda vez consecutiva a marca mais valiosa do País
02
Web Summit terá edição no Rio de Janeiro em 2023
03
Reconhecimento de marca é prioridade do marketing no mundo
04
TV linear poderia ser a resposta para quem está cansado do streaming
05
TikTok Pulse: novo sistema de anúncios da plataforma
Copyright 2010 – 2022 • Meio & Mensagem – Todos os direitos Reservados

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.