E-Sports

CBLOL 2022: Trap é suspenso por conduta inadequada e fica três jogos fora – TechTudo

wp header logo 654 Albânia 10

Por Victor de Abreu, para o TechTudo
02/03/2022 16h39 Atualizado 02/03/2022
O sul-coreano Shin "Trap" Seung-min, topo da Rensga Esports, foi suspenso por três partidas do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLOL) 2022. O motivo é o comportamento tóxico nas filas ranqueadas. Segundo a Riot Games, a própria Rensga relatou as atitudes de Trap em uma partida no servidor brasileiro. A empresa analisou o caso e concluiu que o jogador foi extremamente tóxico, muito por conta da utilização de linguagem discriminatória, e considerou sua conduta como grave. Isso viola o artigo 10.2.4 do livro de regras da competição, que tem como título "Discriminação e Difamação".
Além das três partidas de suspensão, será aplicada uma multa de R$ 5 mil tanto para Trap como para a Rensga por conta do ocorrido. O jogador ficará de fora dos dois duelos da equipe na sétima semana contra a Netshoes Miners e a FURIA Esports, que acontecem nos dias 5 e 6 de março, respectivamente. Além disso, não participará do primeiro jogo da oitava semana contra o Flamengo Esports, no dia 12 de março.
🎮CBLOL 2022: conheça Mocha e Trap, reforços sul-coreanos da Rensga
Trap ficará três partidas sem jogador o CBLOL 2022 após ser suspenso por comportamento tóxico — Foto: Divulgação/LoL Esports
A polêmica com Trap surgiu na segunda-feira (28) com uma imagem que chamou a atenção no Twitter. A imagem em questão mostrava o chat de uma partida ranqueada onde o jogador dizia que seus companheiros jogavam como "animais", inclusive utilizando do termo "macaco" e falando que todos os brasileiros são iguais. Estes foram os agravantes de linguagem discriminatória que motivaram a suspensão e a multa para o jogador.
Após a repercussão negativa, Trap utilizou de seu Twitter pessoal para se desculpar. Ele afirmou que algumas palavras possuem um significado diferente para as pessoas da Coreia do Sul e que tomaria mais cuidado de agora em diante. Ele também mencionou sofrer xenofobia de outros jogadores durante o jogo em questão.
A Rensga Esports também utilizou o Twitter para se pronunciar. A organização lembrou que repudia qualquer tipo de violência verbal ou não-verbal, além de atitudes antidesportivas, e tomaria medidas necessárias em relação a Trap. Entre as penalidades estão sanções cabíveis e reforço de seus valores competitivos. No final de sua nota de esclarecimento, a equipe lembrou que o jogador havia sofrido ataques racistas e xenofóbicos e também pediu punição aos jogadores envolvidos.
Trap foi anunciado como reforço pela Rensga Esports no dia 21 de fevereiro junto do também sul-coreano Kim "Mocha" Tae-gyeom. As contratações, ao lado da promoção do atirador Yudi "NinjaKiwi" Leonardo da Rensga Academy para o time principal. Eles chegaram com o intuito de tentar mudar o cenário da equipe no CBLOL 2022, onde ela se encontrava na lanterna e distante da zona de classificação para os playoffs. Na semana de estreia do trio, vitória contra a Liberty e derrota contra a KaBuM! Esports.
A princípio, há dois substitutos para Trap durante a suspensão. O primeiro é Marcelo "Ayel" Mello, jogador que vinha atuando no time principal da Rensga antes de dar lugar para o próprio Trap. O segundo é Alvaro "Edger" Martins, o topo titular da Rensga Academy. O retorno do sul-coreano ocorrerá apenas no dia 16 de março no confronto contra a INTZ.
Com informações de LoL Esports e Liquipedia
5 ações proibidas em jogos competitivos

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.