Tecnologia

Trabalhadores da indústria em Manaus aprendem a usar novas tecnologias – Amazonas Atual

wp header logo 67 Albânia 10

MANAUS – A utilização de tecnologia da informação é caminho sem volta na produção industrial. E a qualificação de trabalhadores é imprescindível para o uso de ferramentas digitais. É o caso do EcoStruxure, um sistema de informática que possibilita agilizar e melhorar o processo produtivo tornando-o mais eficiente.
“A gente precisa transformar o produto final em algo mais competitivo e eficiente”, disse o presidente da Schneider Eletric, Marcos Matias. A empresa francesa criou a plataforma digital e tem investido em novas tecnologias industriais para ampliar seus negócios no Amazonas. A companhia gerencia o fornecimento de energia elétrica.
O EcoStruxure é um software que permite agilizar serviços em uma linha de produção. Os vários setores interagem no processo possibilitando rapidez, eficiência e economia, principalmente de energia, na fabricação. O sistema pode ser usado também para monitoramento, permitindo o uso em pesquisas científicas.
Em parceria com o INDT (Instituto de Desenvolvimento Tecnológico de Manaus), a empresa qualifica os trabalhadores para o uso da ferramenta. “A manufatura requer investimento em capacitação de pessoas, melhora na capacidade de industrialização, mudança de procedimento, segurança cibernética e não apenas mudanças de maquinários. O processo é demorado”, afirma o diretor executivo do INDT, Geraldo Feitoza.
Leia mais: Logística e falta de apoio à ciência travam economia sustentável na Amazônia
Um dos clientes do INDT é o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá – entidade vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, com sede no município de Tefé -, responsável por pesquisas científicas sobre peixes suspeitos de conter a rabdomiólise. Com a nova tecnologia, pretende monitorar espécies por meio de sensores.
“Estamos conversando sobre [criação de] tecnologias para rastreamento de produtos da biodiversidade, como manejo de pirarucu, de peixes ornamentais e manejo de jacaré, que iniciou no ano passado. Começamos as tratativas com o INDT para tentar desenvolver tecnologias que nos permitam fazer esse monitoramento das cadeias produtivas”, explicou o diretor Emiliano Ramalho.
Na quarta-feira (20), o INDT reafirmou a parceria com o setor privado. Assista ao vídeo:
O seu endereço de e-mail não será publicado.




.hide-if-no-js { display: none !important; }

© 2021 Amazonas Atual Comunicação
© 2021 Amazonas Atual Comunicação

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *