Tecnologia

Transição energética é consenso; a dúvida é como incorporar novas tecnologias – Valor Investe

wp header logo 27 Albânia 10

Por Letícia Fucuchima, Valor — São Paulo
14/10/2021 11h19 Atualizado 14/10/2021
O principal desafio do processo de transição energética é regulamentar a incorporação de novas tecnologias, inovadoras e disruptivas, para tornar o setor elétrico mais moderno e eficiente, avalia o executivo-chefe da Neoenergia, Mario Ruiz-Tagle.

“Não é ruptura, é uma transição, e a transição é longa, demorada, e tem que ser bem estudada e modelada, para que consiga atingir os efeitos que estamos procurando. O caminho, de investir em energia limpa, não tem discussão, a dúvida é como vamos regulamentar isso”, disse, durante participação no Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase).

Entre os desafios de regulamentação, o executivo comentou sobre as eólicas marítimas: já consolidado em outras partes do mundo, esse modelo de geração vem sendo estudado por alguns grupos no Brasil — a Neoenergia é um deles —, mas ainda não há regulamentação específica para os projetos. Soluções de armazenamento de energia, baterias e hidrelétricas reversíveis também devem estar na pauta do setor, acrescenta.

Ruiz-Tagle defende ainda que o licenciamento ambiental precisa ganhar mais agilidade. “Hoje, [o licenciamento] está ocupando dois terços do tempo necessários para colocar de pé um projeto eólico e transmissão”, disse. Ele ressaltou, porém, que acelerar o processo não significa afrouxar as regras.

Para o executivo da Neoenergia, a crise hídrica mostrou a importância de o país ter um sistema de transmissão de energia robusto, além de se investir em iniciativas de eficiência energética.

Este conteúdo foi publicado originalmente no Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor Econômico.
— Foto: Divulgação

source

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *